Eco-conceção

PROJETO Eco Sustainable Rail

logo

O PROJETO Eco Sustainable Rail visa encontrar uma alternativa à travessa de madeira, tendo iniciado em julho de 2016 e concluído no final de 2019.

O projeto que compreende a participação do Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros a participação (PIEP), Centro para a Valorização de Resíduos (CVR), Extruplás e IP, pretende, com as valências e know how que cada uma das entidades possui, desenvolver uma travessa que, por um lado cumpra as exigências técnicas especificas do caminho de ferro, e por outro, desenvolver um processo produtivo adaptado à indústria da reciclagem e reaproveitamento de resíduos plásticos.

Em 2020, promoveu-se a instalação, em via, das travessas de compósito, que permitirá comprovar em cenário real, o cumprimento dos limites definidos pela ISO/DIS 12856, International Standard for Plastic Railway Sleepers, garantidos em laboratório, em dois locais.

  • 1.ª instalação piloto – Linha de acesso à triagem, no Entroncamento
    1.ª instalação piloto – Linha de acesso à triagem, no Entroncamento
  • 2.ª instalação –. Linha do Leste
    2.ª instalação –. Linha do Leste
  • 2.ª instalação –. Linha do Leste
    2.ª instalação –. Linha do Leste

A 2.ª instalação, na Linha do Leste, permitiu a aplicação das 97 travessas ECO RAIL, tendo sido já monitorizado o comportamento das travessas, durante a sua instalação e no período de 3 meses.

Para um conhecimento mais detalhado da atuação da IP, neste domínio, sugere-se a consulta, dos seguintes links:

Protocolos Instituídos
Terceiro Conteudo

A IP estabeleceu um Protocolo com a ECOPILHAS — Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., a 28 de março de 2019, o que possibilitou a criação interna de uma rede alargada de locais para deposição seletiva de pilhas, abrangendo 23 instalações IP. No entanto, a Entidade gestora, ECOPILHAS, cessou a atividade a partir de 28 de fevereiro de 2020, encontrando-se a IP, presentemente, a analisar a formulação de um novo protocolo junto de outra entidade gestora regulada pelo Decreto-Lei n.º 152-D/2017, de 11 de dezembro.


A IP celebrou em 2020 um Protocolo de Cooperação com o PIEP Associação - Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros cujo objetivo principal inerente será o desenvolvimento de um Roadmap da Economia Circular para a IP, integrando a análise da viabilidade de incorporação de reciclados e de matérias-primas sustentáveis, na atividade rodoferroviária.

Incorporação de Reciclados em Obra

Desde 2011 que se encontra prevista a obrigatoriedade de utilização, sempre que tecnicamente exequível, de 5% de materiais reciclados ou que incorporem materiais reciclados relativamente à quantidade total de matérias-primas usadas em obra, em empreitadas de construção e de manutenção de infraestruturas ao abrigo do Código dos Contratos Públicos.

Por razões técnicas, poderá não ser exequível atingir qualquer %, de materiais reciclados ou que incorporem materiais reciclados, devendo a mesma ser devidamente justificada e sustentada, pelos adjudicatários, por cada material aplicado, sempre que em fase de projeto não se traduziu viável esta incorporação, transpondo-se para a fase de execução essa obrigatoriedade.  

A título exemplificativo indicam-se duas incorporações de reciclados, em obra:  

• Ferro com 80% de incorporação de reciclados na sua constituição.
 
• 90% de borracha reciclada incorporada nos estrados de Passagem de Nível da marca Rosehill Rail.