Indicadores de desempenho

 

A apresentação de valores representativos da Rede Ferroviária Nacional corresponde à média ponderada (em função dos custos de manutenção e renovação) dos respetivos indicadores de cada grupo de ativos abrangidos, métrica esta incluída no Contrato-Programa celebrado entre a IP e o Estado Português relativo à gestão da Rede Ferroviária Nacional. 

 

 
Considerando a globalidade da RFN, o ID apurado para 2019 (4,87) traduz uma variação positiva face ao valor verificado em 2018 (4,78), tratando-se da média ponderada dos respetivos indicadores de cada grupo de ativos.

 

 

Considerando a globalidade da RFN, o Indicador de Desempenho apurado para 2019 (4,87) traduz uma variação positiva face ao valor verificado em 2018 (4,78). Tal variação é sobretudo suportada na melhoria observada nos ativos de via, em resultado de intervenções entretanto concluídas, com especial enfoque nas Linhas do Douro, Beira Alta e Beira Baixa. Constata-se que esta recuperação incide precisamente sobre o grupo de ativos globalmente menos bem classificado face aos restantes, direcionando assim a empresa os seus investimentos para os locais tidos como prioritários ao nível da recuperação do seu desempenho. 

Nos ativos de sinalização e segurança, a variação negativa assinalada decorre do aumento do seu tempo médio de serviço destes ativos. Ainda assim, os dados relativos ao ano de 2019 apontam para que, no caso dos ativos de sinalização mais de 80% se encontram em estado Bom ou Razoável. No grupo das Obras de arte (Pontes e Túneis) e nos ativos de Suporte à Tração, mesmo não se verificando alterações relevantes face a 2018, assinala-se que a prevalência do estado Bom e Razoável é de 87% e 93%, respetivamente.

Considerando a totalidade dos ativos que integram a RFN, é de referir que na RFN em 2019 cerca de 73% dos ativos avaliados se apresentavam nos estados Bom ou Razoável, quando em 2018 este valor era de 67%. 

Segurança da infraestrutura  

Importa ressalvar que os ativos classificados nos valores mínimos não representam risco de segurança na utilização da infraestrutura. Esta avaliação visa apenas servir de indicador à priorização das intervenções. 

A segurança da infraestrutura é salvaguardada através das práticas de inspeção e fiscalização, e acautelada sempre que necessário através de ações imediatas de manutenção, e de adequação das condições de exploração (limitação de velocidade e/ou de carga, restrições de via ou interditação da circulação).