Prémio para Centro Interpretativo do Vale do Tua

2020-09-22

O Centro Interpretativo do Vale do Tua (CIVT), na Estação do Tua, venceu o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana (PNRU) 2020 para a Melhor Intervenção Inferior a 1.000 metros quadrados, uma das dez categorias a concurso. A cerimónia de entrega dos galardões ocorreu no edifício dos Paços do Concelho da Câmara Municipal do Porto, a 17 de setembro.
O projeto de arquitetura do Centro Interpretativo, da autoria dos arquitetos Susana Rosmaninho e Pedro Azevedo, havia já recebido uma Menção Honrosa, em dezembro do ano passado, no âmbito da atribuição do Prémio de Arquitetura do Douro por, segundo o júri, representar "um notável projeto de reabilitação, reutilização e valorização de icónicos armazéns devolutos ou abandonados".

 

O CIVT é uma iniciativa da Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua (ADRVT), entidade que agrupa os municípios de Alijó, Carrazeda de Ansiães, Mirandela, Murça e Vila Flor, e que resulta das medidas de compensação da EDP para o território, decorrentes da construção do Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua. O polo museológico, que envolveu um investimento de cerca de dois milhões de euros, ocupa dois cais cobertos da Estação do Tua, reabilitados para o efeito, através de um contrato de subconcessão dos dois edifícios assinado pela IP Património e a ADRVT, válido por 25 anos.

Os dois imóveis inseridos no domínio público ferroviário, com uma área total de 809 m2, situam-se na Estação do Tua ao km 139,828 da Linha do Douro. Um edifício funciona como espaço de acolhimento e centro de promoção turística e o segundo alberga a exposição museológica permanente e exposições temporárias num espaço polivalente.
Segundo os promotores do projeto, o CIVT é “um espaço de excelência para a preservação da memória do Vale do Tua, consagrando a Linha Ferroviária do Tua e promovendo a história deste território, a sua importância económica, social e cultural”. Este espaço interpretativo pretende dar a conhecer o antigo vale antes da construção da barragem, quer na sua dimensão geológica e natural, quer na sua dimensão humana.

A Linha do Tua é um dos principais temas presentes e, segundo a ADRVT, pretende-se “levar o visitante a recordar o caminho-de-ferro e compreender a realidade local, podendo envolver-se com o sentimento dos habitantes pela perda do acesso ao comboio. A ligação entre a via-férrea e os residentes do Douro e Trás-os-Montes é o momento que se celebra”.

A lista completa dos vencedores  do PNRU 2020 pode ser consultada aqui.

A decisão sobre os prémios coube a um júri independente constituído por cinco personalidades das áreas da Economia, Imobiliário, Arquitetura, Engenharia e Património.