Lançamento de empreitada no Corredor Internacional do Sul

2020-08-28

Foi publicado em Diário da República o Concurso Público Internacional para a realização da empreitada de Via e Catenária entre Évora e Elvas/Fronteira, e de construção do subtroço entre Évora e Évora Norte, na nova Linha de Évora, que integrará o futuro Corredor Internacional Sul, atualmente em desenvolvimento no âmbito do Programa Ferrovia2020

Esta obra tem um investimento estimado de 105 milhões de euros e terá o apoio da União Europeia através do programa Connecting Europe Facility (CEF), com um cofinanciamento de 40%. O prazo de execução previsto é de 935 dias.

A empreitada a concurso inclui os seguintes trabalhos:

Troço Évora – Évora Norte

  • Construção de um novo canal ferroviário - em variante à Linha de Évora - entre Évora, exclusive, e o quilómetro 121;
  • Modernização do atual traçado da Linha de Évora, entre o quilómetro 121 e Évora Norte;
  • Construção das instalações fixas de tração elétrica necessárias à eletrificação;
  • Construção das pontes ferroviárias de Xarrama, Degebe e Vale Figueira;
  • Construção de passagens desniveladas rodoviárias;
  • Instalação de infraestruturas necessárias à sinalização eletrónica, telecomunicações e GSM-R;
  • Instalação de torres/sites de GSM-R;
  • Instalação do sistema de retorno de corrente de tração e terras de proteção.

Troço Évora – Elvas/Fronteira

  • Assentamento da superestrutura de via-férrea - balastro, travessas, carril, AMV -, em via única, bitola ibérica (1668 mm) entre Évora, exclusive, e a Linha do Leste, incluindo a Concordância de Elvas;
  • Assentamento da superestrutura de IFTE, entre Évora, exclusive, Elvas e a fronteira com Espanha, incluindo a Concordância de Elvas;
  • Construção de três estações técnicas.

O troço Évora – Elvas/Fronteira integra o novo canal ferroviário em construção entre Évora e a Linha do Leste, criado numa lógica de desenvolvimento evolutivo das ligações ferroviárias com Espanha, no quadro da Rede Transeuropeias de Transportes (RTE-T) e da ligação ferroviária de mercadorias entre os portos portugueses e o resto da Europa, assegurando desde logo uma ligação de passageiros.  

Serão igualmente criadas condições para a compatibilidade técnica e operacional na ligação aos troços adjacentes, e o cumprimento das disposições técnicas de interoperabilidade.

 

A presente publicação é da exclusiva responsabilidade do autor. A União Europeia não se responsabiliza pela eventual utilização das informações nela contidas.