Jornadas Europeias do Património 2019 – Participação conjunta CP, IP e ML

2019-10-09

A CP – Comboios de Portugal, a Infraestruturas de Portugal e o Metropolitano de Lisboa, associaram-se à Direção Geral do Património Cultural, e promoveram uma programação conjunta de ações culturais integradas nas Jornadas Europeias do Património (JEP) 2019 dirigidas ao público e à comunidade em geral.

Esta iniciativa permitiu aos participantes passarem a perspetivar os transportes públicos ferroviários, não só como forma de deslocação entre locais de partida e destino, mas, também, como meios de acesso às Estações Ferroviárias e do Metropolitano de Lisboa que, cada vez mais, se constituem como espaços artísticos e culturais acessíveis a qualquer público.

As JEP são uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia a que vários países, incluindo Portugal, têm aderido através da Direção Geral do Património Cultural em anos transatos e que este ano foram subordinadas à temática nacional “Artes, Património e Lazer”.

No dia 27 de setembro, o programa teve início com uma visita à estação ML dos Restauradores, tendo-se seguido uma visita à estação ferroviária do Rossio, que terminou com uma apresentação pelo Quorum Ballet.

Pelas 16H30 teve lugar a Conferência “A Ferrovia e a Cultura” na Estação Ferroviária de Lisboa-Rossio, na Sala do Rei. 

 

“A Ferrovia e a Cultura”, foi também o lema das visitas realizadas às estações ferroviárias de Lisboa-Rossio, Lisboa-Santa Apolónia e Lisboa-Oriente, pela CP e IP/IPP, abordando a história da construção das linhas em que se inserem as estações referidas, a sua arquitetura e as manifestações artísticas patentes nos edifícios de passageiros: escultura, baixos-relevos e cerâmica.

No dia 28 de setembro, foi o dia de viajar no comboio histórico ML7 permitindo, assim, a muitos/as a concretização de um sonho.

Seguiu-se uma visita guiada às estações do Metropolitano de Lisboa e da IP de Santa Apolónia, onde se partiu para uma viagem até ao Entroncamento com visita guiada ao Museu Nacional Ferroviário. Após regresso a Lisboa houve ainda uma animação pelo “Tango na Rua”, na Estação do Cais do Sodré.

No último dia das jornadas, 29 de setembro, os participantes ficaram a conhecer as intervenções plásticas (e os respetivos artistas) existentes na estação Oriente do Metro de Lisboa, através de uma visita guiada que contou com uma explicação pormenorizada do projeto de arquitetura, das temáticas da escultura e dos dez painéis de azulejos patentes nessa estação. Seguiu-se, em jeito de continuidade, a visita à estação ferroviária.

O evento terminou com mais uma atuação do Quorum Ballet, na estação do Oriente.

 

As inscrições para as iniciativas das Jornadas Europeias do Património tiveram início no dia 26 de agosto p.p., nos sites das empresas organizadoras, tendo esgotado em poucos dias,  com um elevado número de candidatos em lista de espera.

A CP- Comboios de Portugal, a Infraestruturas de Portugal e o Metropolitano de Lisboa contribuíram desta forma para a promoção efetiva da cultura e do património, bem como para o reconhecimento da sua importância e do seu caráter transversal, designadamente no setor dos transportes, da mobilidade e sustentabilidade urbana.

Conferência "A Ferrovia e a Cultura"

 

A conferência foi constituída por dois painéis seguidos de mesa redonda, com moderação de José Limão e Maria Fernanda Quadros. (ver apresentações em baixo)

No primeiro painel foram abordados os temas: Os comboios e o turismo, a arquitetura, escultura e cerâmica na ferrovia, a animação cultural nas estações ferroviárias e de que forma o Metro potencia a arte ao seus clientes.

O segundo painel foi dedicado à apresentação do projeto italiano dos comboios turísticos do Vale do Liri e do Museu Difuso – um novo modelo para preservar e desenvolver o património, da Universidade de Cassino e a várias experiências portuguesas de Património e Cultura que envolvem a Universidade Nova e a Universidade Aberta.

A APAC apresentou também o projeto “Do Entroncamento às Portas de Rodão”.

Foi também estabelecida uma ligação vídeo com o Festival do Vapor, da Fundação Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento, onde decorria mais uma edição desta iniciativa que constitui um caso de sucesso de uma nova forma de promoção e divulgação do caminho-de-ferro e da sua história.

O dia culminou com o lançamento do livro “O comboio do Papa - A última viagem do comboio pontificio-frosinone 1863”, de Costantino Jadecola.