Dia Europeu da Rede Natura 2000 | 21 de maio

2020-05-21

A 21 de maio comemora-se o Dia Europeu da Rede Natura 2000, este ano sob o tema “young people and nature/jovens e a natureza”. Para assinalar esta data o Projeto LIFE LINES lança o Concurso de Desenhos LIFE LINES, ao qual a Infraestruturas de Portugal se associa enquanto parceira do Projeto.

A Rede Natura 2000 é uma rede ecológica criada no espaço da União Europeia que tem como objetivo garantir a conservação das espécies e dos habitats mais ameaçados da Europa, contribuindo para diminuir a perda de biodiversidade e tentar preservá-la. Nestes locais, as atividades humanas (como agricultura e pescas, construção de infraestruturas, etc.) devem realizar-se de forma harmoniosa respeitando e preservando o património natural.

Neste âmbito, o Projeto LIFE LINES desafia as crianças entre os 6 e os 14 anos a participarem no Concurso de Desenhos LIFE LINES, com o objetivo de promover a consciencialização do papel dos mais novos na preservação da natureza. Através da expressão artística, as crianças poderão mostrar de forma criativa a importância da conservação da natureza, da problemática dos atropelamentos de animais e das ações que têm sido implementadas pelo Projeto.

Os desenhos deverão ser enviados até ao dia 26 de junho (consulte o Regulamento abaixo) e serão expostos no Seminário Final do Projeto LIFE LINES, que irá decorrer previsivelmente em janeiro de 2021, integrado na Conferência Internacional sobre Infraestruturas Lineares (IENE2020).

​Projeto LIFE LINES

O Projeto LIFE LINES – Rede de infraestruturas Lineares com Soluções Ecológicas tem como objetivo minimizar o efeito negativo destas infraestruturas na fauna e, simultaneamente, promover a criação ao longo das mesmas, de uma Infraestrutura Verde de suporte ao incremento e conservação da biodiversidade do território em que atua.

É um projeto co-financiado a 60% pelo Programa LIFE - Natureza e Biodiversidade da Comissão Europeia e coordenado pela Universidade de Évora tendo os seguintes beneficiários parceiros: IP, Universidade de Aveiro, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, MARCA – Associação de Desenvolvimento Local, Quercus, Câmaras Municipais de Montemor-o-Novo e de Évora.

Decorre na região do Alentejo Central e tem como objetivos ensaiar, avaliar e disseminar medidas para mitigar efeitos negativos de infraestruturas lineares em várias espécies de fauna e, simultaneamente, promover a criação, ao longo das mesmas, de uma Infraestrutura Verde de suporte à conservação da biodiversidade, fornecendo habitats propícios para abrigo, alimentação e deslocação dos animais.

     

    Este projeto teve início em agosto de 2015 e tem um período de cinco anos. Ao abrigo do Projeto foram implementadas diversas medidas e soluções para alcançar os objetivos pretendidos. Estas medidas estão agora a ser monitorizadas em termos da sua eficácia, visando a otimização da relação custo-benefício das mesmas e a sua futura utilização na promoção da sustentabilidade ambiental da Empresa.

    As principais ações do Projeto pelas quais a Infraestruturas de Portugal é responsável são:

    • compilação, estruturação e operacionalização de uma base de dados de atropelamentos de animais nacional;
    • desenvolvimento de uma aplicação móvel para registo de animais atropelados, gratuita e disponível no google play;
    • colocação de passadiços para fauna em passagens hidráulicas para permitir que os animais atravessem a via em segurança;
    • melhoramento de vedações para impedir entrada de animais nas vias;
    • colocação de redes em taludes para impedir a sua colonização por coelhos, com o objetivo de evitar o seu atropelamento, bem como o dos carnívoros que os predam;
    • encaminhamento de anfíbios para passagens hidráulicas sob a via, através de barreiras específicas;
    • instalação de barreiras para elevar o voo de corujas, evitando o seu atropelamento;
    • instalação de refletores específicos que refletem as luzes dos veículos para o exterior da via, alertando atempadamente as aves noturnas;
    • criação de um novo sinal rodoviário específico para anfíbios;
    • controlo de espécies de flora invasora nos taludes das estradas;
    • criação de microrreservas em áreas sobrantes;
    • monitorização da mortalidade da fauna na área do projeto;
    • ações de voluntariado em prol da conservação da natureza, com os colaboradores da IP e respetivas famílias.

    Mais informação aqui.