Ações de Conservação da Natureza

Programa de Monitorização da Mortalidade da Fauna

A empresa inclui, no âmbito dos objetivos de sustentabilidade ambiental, dois parâmetros intimamente relacionados: a redução da mortalidade da fauna nas estradas e o aumento da utilização das passagens pelos animais. Para este efeito foi instituído o procedimento regular de registo dos avistamentos de cadáveres de animais no decurso das inspeções das estradas numa base de dados georreferenciada, tendo sido dada a formação necessária aos oficiais de inspeção. Estes dados são geridos e analisados de forma a identificar situações críticas de mortalidade da fauna e propor medidas para a sua minimização.
 
São produzidos relatórios-síntese, disponíveis para consulta:
 
 
 

Implementação de passadiços de fauna em diversas Obras de Arte

A mortalidade por atropelamento é o efeito mais visível e negativo das estradas na fauna. Os mamíferos carnívoros são reconhecidamente um dos grupos mais vulneráveis a este tipo de impacte, ao qual se alia o efeito-barreira causado pelas vias e a redução/fragmentação das suas áreas de distribuição.

Contudo, estudos recentes têm vindo a demonstrar que, de uma forma geral, estes animais utilizam as Obras de Arte e Passagens Hidráulicas (PH) para atravessar a estrada (desde que apresentem dimensões amplas e se localizem em áreas sossegadas) e que a disponibilidade destas estruturas pode influenciar positivamente a redução da sua mortalidade nas estradas.

Efetivamente, a presença de água nas PH, mesmo que em níveis reduzidos, constitui uma limitação à sua utilização pela maioria dos animais, pelo que a implementação de passadiços aumenta o potencial destas estruturas para a fauna uma vez que são projetados para se manterem, a maior parte do tempo, acima do nível da água.

Neste contexto, os resultados do Programa de Monitorização da Mortalidade da Fauna são levados em consideração na definição de requisitos específicos a incluir nas obras de beneficiação de PH ou de estradas, de forma a ponderar a necessidade de incluir medidas de minimização para a fauna, numa ótica de otimizar a relação custo/benefício destas medidas.

Assim, foram já implementados passadiços para fauna em diversas Obras de Arte localizadas em zonas onde a mortalidade se revelou elevada. Os resultados da monitorização após a implementação destas medidas têm vindo a revelar que as mesmas foram eficazes, uma vez que os valores de mortalidade de mamíferos diminuíram significativamente.
 

Foto1

Passadiço seco numa Passagem Hidraúlica, ao quilómetro 223 do IP 2.

 

Foto2

Passadiço secos numa Passagem Hidráulica, ao quilómetro 274,8 da EN18

Nidificação de Águia-Imperial

Face à deteção de um casal de Águia-Imperial a nidificar num eucalipto junto à berma de uma estrada na ZPE de Castro Verde, o ICNF solicitou à IP a proibição temporária de parar na berma, de forma a salvaguardar o sucesso reprodutor do casal. Neste contexto, a IP instalou sinalização vertical de proibição de parar na berma, entre março e julho, de forma a prevenir a perturbação do casal pela presença de pessoas nas proximidades do ninho. Esta iniciativa contribuiu para proporcionar o sucesso reprodutor do casal, nomeadamente com duas crias bem sucedidas.

 

Proteção do Mexilhão-do-Rio-Ibérico

No âmbito da reabilitação de um pontão sobre a ribeira de Toutalga em Sobral da Adiça, numa zona inserida em Rede Natura 2000, e na sequência de um pedido efetuado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a IP implementou uma medida que poderá revelar-se essencial para a sobrevivência da espécie. A intervenção executada pela ex EP, em 2013, na ribeira, sob o pontão reabilitado, consistiu na implementação de uma barreira que retém a água, providenciando um pego, o qual constitui uma bolsa de habitat favorável.

 

Ação COST 350 / Missão Cientifica de Curta Duração - Mitigação e Monitorização dos Impactes das Estradas na Fauna

Ao abrigo da Ação COST 350 - Integrated Assessment of Environmental Impact of Traffic and Transport Infrastructure, foi realizada uma “Missão Cientifica de Curta Duração” cuja finalidade foi contribuir para os objetivos científicos da Ação em causa. A Missão teve como tópico a Mitigação e Monitorização dos Impactes das Estradas na Fauna. Foi realizada em Delft, Holanda, no Instituto de Estradas e Engenharia Hidráulica, pertencente à Direção-Geral das Obras Públicas e Gestão da Água (Rijkswaterstaat), pela Dr.ª Graça Garcia (consultora, especialista em biodiversidade, na referida Ação).
 
A Holanda tem já uma vasta experiência em avaliação de impacte ambiental de projetos e implementa já há algum tempo a avaliação ambiental estratégica de planos e programas. A biodiversidade é uma temática que desde sempre esteve presente nestas avaliações, aplicadas a estradas, existindo atualmente um conhecimento profundo e pragmático sobre as técnicas de conceção, aplicação e melhoramento da eficácia das medidas de minimização dos impactes na fauna.
O Relatório produzido no âmbito da Missão apresenta uma compilação sobre os procedimentos estudados, começando por fazer um enquadramento das políticas relativas ao planeamento do tráfego e infraestruturas de transportes, após o que se concentra nos processos relativos à implementação e gestão das medidas de minimização e compensação dos impactes na biodiversidade, com maior ênfase nos procedimentos relativos à fragmentação dos habitats. 
 
 
 

Workshop “Vida selvagem e a rede viária: a ciência na gestão de conflitos”

A ex EP participou no workshop “Vida selvagem e a rede viária: a ciência na gestão de conflitos", que decorreu na Universidade de Aveiro, tendo estado representada pelo Engº José Faísca, Diretor responsável na empresa, que apresentou o Programa de Monitorização da Mortalidade de Fauna na rede rodoviária.