Simulacro na Estação do Rossio

O objetivo principal é testar os procedimentos de emergência instituídos entre a Infraestruturas de Portugal e os subconcessionários presentes nesta infraestrutura, não se prevendo constrangimentos na circulação ferroviária.
 
O exercício, coordenado pela Direção de Segurança da IP, irá centrar-se na zona exterior às plataformas da estação, abrangendo também os espaços de escritórios e outros espaços comerciais que lhe estão associados.
 
 
 
Cenário do exercício
 
Por motivos inusitados, é detetado pelo Sistema Automático de Deteção de Incêndios, uma grande quantidade de fumo no corredor dos escritórios da Estação do Rossio.
 
Após atuação da alarmística, é determinada a evacuação total do edifício, incluindo a estação.
 
São chamados os Serviços de Emergência, que tomam conta da ocorrência, e no ponto de encontro, uma das pessoas evacuadas sente-se mal, e entra em paragem cardiorrespiratória, sendo necessário a atuação dos Operacionais de Desfibrilhação Automática Externa da Estação.
 
No momento da contagem dos evacuados, um dos delegados de segurança informa que um dos seus colegas resistiu à saída, aparentando estar confuso e desorientado, sendo necessário o apoio dos Serviços de Emergência.