Projetos IDI

A engenharia natural na estabilização de taludes

Obra de estabilização de talude da A21, no nó da Malveira
No âmbito de um protocolo realizado entre a Empresa e o Instituto Superior de Agronomia, através do Centro de Ecologia Aplicada Baeta Neves (CEABN), foi desenvolvido um projeto-piloto para a estabilização do talude da A21 no nó da Malveira recorrendo a técnicas correntes em obras de Engenharia Natural (EN), que utilizam essencialmente plantas vivas e outros materiais naturais como elementos do processo construtivo.
O grave problema de instabilidade do talude de escavação, resultado de vários problemas de drenagem existentes, bem como de um processo de erosão em fase muito avançada, obrigou a uma rápida intervenção no mesmo. Oportunamente surgiu a possibilidade de atuar em parceria com o CEABN para testar e demonstrar, não só os benefícios ambientais, mas também os benefícios económicos associados aos projetos de EN, quando comparados com as soluções tradicionais. Face a estes benefícios, o projeto de estabilização do talude foi adaptado de forma a incorporar estas técnicas.
Para além da hidrossementeira e sementeira manual, foram introduzidas outras técnicas inéditas no contexto rodoviário, sendo que uma delas foi concebida especificamente para esta obra – a “banqueta viva”, um sistema que através de uma geomembrana impermeável subjacente a uma camada de terra revestida com vegetação pretende reduzir a infiltração da água que se acumula entre as banquetas e os panos de talude, prescindindo do betão ou outros materiais inertes para esta impermeabilização.
Dado o carácter pioneiro do projeto, o desenvolvimento dos trabalhos foi alvo de controlo e registo pormenorizado. Está também a decorrer a monitorização da eficácia das técnicas utilizadas, visando eventuais correções e futuras replicações noutras obras, que se pretendem cada vez mais sustentáveis do ponto de vista económico e ambiental.